Take care... the big brother is watching you

quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Chegámos ao fim do materialismo, assim termina um ciclo!

Diálogo entre Colbert e Mazarino durante o reinado de Luís XIV:

Colbert: Para encontrar dinheiro, há um momento em que enganar [o contribuinte] já não é possível. Eu gostaria, Senhor Superintendente, que me explicasse como é que é possível continuar a gastar quando já se está endividado até ao pescoço...
Mazarino: Se se é um simples mortal, claro está, quando se está coberto de dívidas, vai-se parar à prisão. Mas o Estado... o Estado, esse é diferente!!! Não se pode mandar o Estado para a prisão. Então, ele continua a endividar-se... Todos os Estados o fazem!
Colbert: Ah sim? O Senhor acha isso mesmo? Contudo, precisamos de dinheiro. E como é que havemos de o obter se já criámos todos os impostos imagináveis?
Mazarino: Criam-se outros.
Colbert: Mas já não podemos lançar mais impostos sobre os pobres.
Mazarino: Sim, é impossível.
Colbert: E então os ricos?
Mazarino: Os ricos também não. Eles não gastariam mais. Um rico que gasta faz viver centenas de pobres.
Colbert: Então como havemos de fazer?
Mazarino: Colbert! Tu pensas como um queijo, como um penico de um doente! Há uma quantidade enorme de gente entre os ricos e os pobres: os que trabalham sonhando em vir a enriquecer e temendo ficarem pobres. É a esses que devemos lançar mais impostos, cada vez mais, sempre mais! Esses, quanto mais lhes tirarmos mais eles trabalharão para compensarem o que lhes tirámos. É um reservatório inesgotável.

terça-feira, 21 de dezembro de 2010


Devem-me dinheiro!

José Sócrates em 2001 prometeu que não ia aumentar os impostos.
E aumentou.
Deve-me dinheiro.
António Mexia da EDP comprou uma sinecura para Manuel Pinho em Nova Iorque.
Deve-me o dinheiro da sinecura de Pinho.
E dos três milhões de bónus que recebeu.
E da taxa da RTP na conta da luz.
Deve-me a mim e a Francisco C. que perdeu este mês um dos quatro empregos de uma loja de ferragens na Ajuda onde eu ia e que fechou.
E perderam-se quatro empregos.
Por causa dos bónus de Mexia.
E da sinecura de Pinho.
E das taxas da RTP.
Aníbal Cavaco Silva e a família devem-me dinheiro.
Pelas acções da SLN que tiveram um lucro pago pelo BPN de 147,5 %.
Num ano.
Manuel Dias Loureiro deve-me dinheiro.
Porque comprou por milhões coisas que desapareceram na SLN e o BPN pagou depois.
E eu pago pelo BPN agora.
Logo, eu pago as compras de Dias Loureiro.
E pago pelos 147,5 das acções dos Silva.
Cavaco Silva deve-me muito dinheiro.
Por ter acabado com a minha frota pesqueira em Peniche e Sesimbra e Lagos e Tavira e Viana do Castelo.
Antes, à noite, viam-se milhares de luzes de traineiras.
Agora, no escuro, eu como a Pescanova que chega de Vigo.
Por isso Cavaco deve-me mais robalos do que Godinho alguma vez deu a Vara.
Deve-me por ter vendido a ponte que Salazar me deixou e que eu agora pago à Mota Engil.
António Guterres deve-me dinheiro porque vendeu a EDP.
E agora a EDP compra cursos em Nova Iorque para Manuel Pinho.
E cobra a electricidade mais cara da Europa.
Porque inclui a taxa da RTP para os ordenados e bónus da RTP.
E para o bónus de Mexia. A PT deve-me dinheiro.
Porque não paga impostos sobre tudo o que ganha.
E eu pago.
Eu e a D. Isabel que vive na Cova da Moura e limpa três escritórios pelo mínimo dos ordenados.
E paga Impostos sobre tudo o que ganha.
E ficou sem abonos de família.
E a PT não paga os impostos que deve e tenta comprar a estação de TV que diz mal do Primeiro-ministro.
Rui Pedro Soares da PT deve-me o dinheiro que usou para pagar a Figo o ménage com Sócrates nas eleições.
E o que gastou a comprar a TVI.
Mário Lino deve-me pelos lixos e robalos de Godinho.
E pelo que pagou pelos estudos de aeroportos onde não se vai voar.
E de comboios em que não se vai andar.
E pelas pontes que projectou e que nunca ligarão nada.
Teixeira dos Santos deve-me dinheiro porque em 2008 me disse que as contas do Estado estavam sãs.
E estavam doentes. Muito.
E não há cura para as contas deste Estado.
Os jornalistas que têm casas da Câmara devem-me o dinheiro das rendas.
E os arquitectos também.
E os médicos e todos aqueles que deviam pagar rendas e prestações e vivem em casas da Câmara, devem-me dinheiro.
Os que construíram dez estádios de futebol devem-me o custo de dez estádios de futebol.
Os que não trabalham porque não querem e recebem subsídios porque querem, devem-me dinheiro.
Devem-me tanto como os que não pagam renda de casa e deviam pagar.
Jornalistas, médicos, economistas, advogados e arquitectos deviam ter vergonha na cara e pagar rendas de casa.
Porque o resto do país paga.
E eles não pagam.
E não têm vergonha de me dever dinheiro.
Nem eles nem Pedro Silva Pereira que deve dinheiro à natureza pela alteração da Zona de Protecção Especial de Alcochete.
Porque o Freeport foi feito à custa de robalos e matou flamingos.
E agora para pagar o que devem aos flamingos e ao país vão vendendo Portugal aos chineses.
Mas eles não nos dão robalos suficientes apesar de nos termos esquecido de Tien Amen e da Birmânia e do Prémio Nobel e do Google censurado.
Apesar de censurarmos, também, a manifestação da Amnistia, não nos dão robalos.
Ensinam-nos a pescar dando-nos dinheiro a conta gotas para ir a uma loja chinesa comprar canas de pesca e isco de plástico e tentar a sorte com tainhas.
À borda do Tejo.
Mas pesca-se pouca tainha porque o Tejo vem sujo.
De Alcochete.
Por isso devem-me dinheiro.
A mim e aos 600 mil que ficaram desempregados e aos 600 mil que ainda vão ficar sem trabalho.
E à D. Isabel que vai a esta hora da noite ou do dia na limpeza de mais um escritório.
Normalmente limpa três.
E duas vezes por semana vai ao Banco Alimentar.
E se está perto vai a um refeitório das Misericórdias.
À Sexta come muito.
Porque Sábado e Domingo estão fechados.
E quando está doente vai para o centro de saúde às 4 da manhã.
E limpa menos um escritório.
E nessa altura ganha menos que o ordenado mínimo.
Por isso devem-nos muito dinheiro.
E não adianta contratar o Cobrador do Fraque.
Eles não têm vergonha nenhuma.
Vai ser preciso mais para pagarem.
Muito mais.
Já.

segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Deve ser o primeiro 'ensaio' dos bancos para aplicarem a taxa há tanto tempo proposta (principalmente pelo BCP) e que não tem conseguido 'passar'...
Porém, em tempo de crise...

Atenção às Caixas Multibanco com estes símbolos
— somos roubados de forma autorizada
muito cuidado!!!
ROUBALHEIRA NetPay!
Uma forma dissimulada de sacar os nossos €

- No mês passado efectuei um levantamento numa máquina ATM que me parecia perfeitamente normal.
Então ao receber o extracto da minha conta verifiquei que me tinham sido cobrados 3,30€ de comissões associadas a um levantamento de 50,00€.
Contactei o meu banco e fui informado que tinha utilizado uma máquina ATM de uma nova rede chamada NetPay.
Ao que fui informado todos os levantamentos são efectuados a crédito sendo cobrada uma taxa fixa de 1,5€ mais os juros respectivos.

Ao que parece estas máquinas estão identificadas como pertencendo à rede NetPay pelo que antes de efectuarem levantamentos não se esqueçam de verificar a rede em que o vão fazer.